Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Palavras da coral

"Um mar de palavras de onde sairá uma tela colorida." "O mar é a minha inspiração, é o meu refúgio nas boas e más horas, descansa-me… e recolhe-me! O mar será sempre a minha casa… e

Calendário

Vozes...

26
Out06

DIVAGAR PELA ALMA…

{{coral}}

 

Divagar pela alma sabe a fácil... e
Amanheço no fio de água
transparente.
Entardeço no mar dos teus
braços remadores.
Anoiteço protegida pelo
teu calor estonteante.
É tão bom produzir este
sentimento em nós.
É tão fértil adicionar
a calma e a serenidade
às palavras que se pronunciam.
Felicidade transparente
deleitam teus olhos, a cor
que tinge este mar que te acolhe.
Amanheço nesse fio
produzido na tua pele.
Entardeço beijando tua
alma de anjo.
Anoiteço na felicidade
que nos damos.
Sabe bem ler-te a alma…
pacificada, cristalina e,
reflectida neste recanto
encantado pelo mar.



©{{coral}}
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

23
Out06

CARAVELAS

{{coral}}

(A minha poeta de sempre... hoje está presente neste cantinho)

Cheguei a meio da vida já cansada
De tanto caminhar!  Já me perdi!
Dum estranho país que nunca vi
Sou neste mundo imenso a exilada.

Tanto tenho aprendido, e não sei nada.
E as torres de marfim que construí
Em trágica loucura as destruí
Por minhas próprias mãos de malfadada!

Se eu sempre fui assim este Mar Morto:
Mar sem marés, sem vagas, e sem porto
Onde velas de sonhos se rasgaram!

Caravelas doiradas a bailar...
Ai quem me dera as que eu deitei ao Mar!
As que eu lancei à vida, e não voltaram!...


Florbela Espanca
Em  Livro de Soror Saudade

 

23
Out06

DA TUA BOCA…

{{coral}}

 

(Dedicado a ti, hoje é o teu dia)

Da tua boca,
sai a luz ardente
das palavras.
Dos teus olhos,
sai o brilho plácido
do coração.
Das tuas mãos,
sai o vigor cristalino
do sentir.
E, entre o silêncio das margens,
saem cantos de gaivotas
que voam entre os verdes rios,
caminhando para o mar!



©{{coral}}
... escrevinhando…
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

21
Out06

A MÚSICA CALA…

{{coral}}

 

 

A música cala o que
o coração quer dizer,
esse coração moldado
no afago do mar, que salta
entre serras chuvosas,
vendavais com asas.
A música chama as tuas
palavras guardadas e cautelosas,
que se molham nos rios sem margens,
transparecendo em gotas de luz.
A música brilha na chuva
que rasga a neblina desta aurora,
deixou a noite, e se entrega
ao cigarro silencioso, quase consumido!...


©{{coral}}
... escrevinhando…
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

19
Out06

NOITE…

{{coral}}

 

 

A noite troveja-se.
O céu ilumina-se.
Eu acordei na chuva.
Procuro o teu corpo e,
faminta do outono,
embrulho-me no teu cheiro.
A terra deixa-se fustigar
pela violência da chuva.
Abrem-se as portas do céu,
lançam-se raios iluminando
os caminhos.
Hoje o céu deixou-se cantar,
os anjos abrigaram as almas medrosas.
A noite troveja-se.
Eu recebo a noite fria,
embrulhando-me no teu cheiro, e
aceitando o teu calor.



©{{coral}}
... escrevinhando…
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

 

17
Out06

VERSOS...

{{coral}}

 



Versos…
dizem que faço.
Versos…
deixo na noite.
Versos...
saem para o papel.
Versos…
Quantos ficam marcados com lágrimas.
Versos…
quem disse que eu escrevo versos?...
somente deixo minha caneta deslizar!...
Versos…
quem é o poeta?
Versos…
que deixo com marca,
em pseudónimo que muita gente conhece.
Versos…
passo por eles… sem compasso,
de uma estória que fica sem rima!...
Versos…
palavras pintadas de mar…
que transmito… ao passar no mundo.
Versos…
afogo nas lágrimas… gemendo como os poetas.
Gemo os versos…
que atiro ao vento.
Crio versos…
que não são versos…
somente… palavras ditas.
Versos…
quem disse que eu escrevo?
Versos…
deixo em mim… nas folhas brancas.
Versos…
escrevo, porque sou Poeta!


©{{coral}}
... escrevinhando…
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

 

15
Out06

ESTE ESTRANHO ENCANTO...

{{coral}}

 

 

Este estranho encanto,
de deambular pelo passado,
o recuo aos recantos da vida,
no trabalho, em amor.
Este fechar de olhos
e, recordar sorrisos, lágrimas,
dores, desesperos, felicidade.
Este estranho encanto
de perfumar a casa
com os teus cheiros.
Este feitiço de sorrir
na recordação do teu olhar.
Este encanto de deitar na terra,
o mar dos pensamentos.
Esta fatia do meu coração a penar,
pelas tuas dores,
neste estranho encanto!...



©{{coral}}
... escrevinhando…
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

10
Out06

EXISTE SEMPRE…

{{coral}}

 

Existe uma força que me leva
sempre a ti.
Pode ser uma luz divina,
as preces que por vezes deixamos
longe do coração, mas…
o conforto está lá e, nunca as esquecemos.
Pedimos força, pedimos paz,
pedimos calma, e mesmo sem querer
começamos a ter tempo para tudo,
a lutar contra a maldade!
Hoje,
dei comigo a ter paz interior,
aquela sensação de leveza,
do dizer tudo quanto a alma grita e,
por vezes guardado estupidamente.
Hoje,
não tive medo de te entregar
as minhas lágrimas,
de soluçar no teu peito,
de entregar-te o silêncio que doeu em nós!
Sofro contigo todas as tuas dores,
amo contigo todos os prazeres,
choro contigo nossas lágrimas,
assumo contigo as circunstâncias
que a vida dá.
Hoje,
disse-me das minhas realidades…
Existo por ti, por três grãos de gente
boa e sã, que plantei naquele nosso
recanto de mar.
À que acreditar… sempre transpomos
tudo, desde que haja força e, uma união
fortalecida.
Hoje,
senti todos os momentos,
as palavras silenciosas articuladas
nos gestos de carinho e ansiedade.
Hoje,
a verdade da palavra “amor”,
decididamente, ficou mais
semeada em nós!


©{{coral}}
... escrevinhando…
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

01
Out06

OUTONO…

{{coral}}

 

Outono...
chega por caminhos
feitos de folhas amarelecidas.
Outono...
chega pelo mar enfurecido.
Outono...
chega pelas estrelas envergonhadas.
Outono...
olhei este outono... e
dei com a lua escondida na sua cama.
Outono...
são as medrosas nuvens que teimam em aparecer.
Outono...
é esta lassidão de percursos vagos e, molhados
pelas primeiras chuvas.
Outono...
é o banco de jardim vazio de gentes,
das gargalhadas das crianças,
dos menos jovens, deixarem os jogos das "damas" e
"cartas".
Outono…
este inspirar de roupas quentes,
e dos beijos à procura de lábios tórridos.
Outono.. vem
refresca-me com teus cheiros,
no vibrar do fogo na lareira,
com canto da casa adormecido na música, e
aninha-me em ti!



©{{coral}}
... escrevinhando…
Reservados os direitos de autor
Textos e poemas registados na SPA

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

{{coral}}

.

as horas no silêncio...

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D